Mapa de significados, elementos socioespaciais e políticos do Turismo de Base Comunitária no estado do Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18472//cvt.24n1.2024.dossieTBC.2156

Palavras-chave:

Turismo de Base Comunitária, Cartografia Turística, Política Pública de Turismo.

Resumo

O estado do Rio de Janeiro destaca-se, historicamente, como destino turístico nacional e internacional, caracterizado por um modelo de fluxos de massa. Em meio a propostas turísticas, que se movem entre os eixos convencional e contra-hegemônico, desde 2008, nessa região, tem emergido também o turismo de base comunitária (TBC) como uma prática socioeconômica alternativa impulsionada pelo Edital de Chamada Pública de Seleção de Projetos de TBC do Ministério do Turismo. Esse processo culminou na aprovação da Política Estadual de TBC (Lei nº 7884/2018), pioneira no Brasil. Diante dessa peculiaridade, este artigo busca mapear e analisar a configuração do TBC no estado do Rio de Janeiro. A abordagem concentra-se nas perspectivas socioespaciais, nos significados atribuídos e nas ações das políticas públicas, utilizando métodos qualitativos como pesquisa bibliográfica e documental, formulário misto e entrevistas semiestruturadas. Os resultados revelaram que esse processo vem delineando um novo mapa turístico, proporcionando visibilidade a diversos grupos que, até então, estavam [ou ainda permanecem] à margem de iniciativas concretas impulsionadas por políticas públicas do setor.

Referências

Almeida, T. C., & Emmendoerfer, M. L. (2023). O turismo de base comunitária e seus principais desafios para uma participação efetiva nos mecanismos de governança pública territorial:. Revista Turismo Estudos e Práticas-RTEP/UERN, 12(1). https://geplat.com/rtep/index.php/tourism/article/view/1043/979

Alves, K. dos S. (org.) (2020). A gestão social do turismo como contra-hegemonia: apontamentos sobre as racionalidades em ação. In: Alves, K. dos S. (Org.). Diálogos sociais em Turismo: elementos hegemônicos e contra hegemônicos (pp. 25-35). Belo Horizonte: Dialética.

Arruda, D. de O., & Gonçalves, J. P.. (2020). Limites e possibilidades no desenvolvimento de estratégias de Turismo de Base Comunitária em um território quilombola. Interações (campo Grande), 21(1), 107–123. https://doi.org/10.20435/inter.v21i1.1968

Barros, A. L. R. de. (2017). A interface entre a educação escolar diferenciada e o turismo de base comunitária nas comunidades caiçaras do Pouso da Cajaíba e da Praia do Sono, Rio de Janeiro [Dissertação de mestrado, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro]. https://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/4398

Barros, A. L. R. D., & Rodrigues, C. G. D. O. (2019). Differentiated education and community-based tourism in the caiçara territories of Paraty (RJ). Ambiente & Sociedade, 22, e02951. https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc0295r1vu19L1AO

Bartholo, R., Sansolo, D. G., & Bursztyn, I. (2009). Turismo de base comunitária. Letra e imagem.

Bursztyn, I. & Bartholo, R. (2012). O processo de comercialização do turismo de base comunitária no Brasil: desafios, potencialidades e perspectivas. Sustentabilidade em Debate - Brasília, 3 (1), 97-116. https://periodicos.unb.br/index.php/sust/article/view/15500

Brandão, A. L. R., & Coriolano, L. N. M. T. (2016). Eixos do turismo: convencional e contrahegemônico em Jericoacoara – CE. Revista Formação (Online), 3(23), 101-126. https://doi.org/10.33081/formacao.v3i23.3835

Brasil. Ministério do Turismo. (2008). Edital MTur n. 001/2008: seleção de propostas de projetos para apoio às iniciativas de turismo de base comunitária. Brasília: Ministério do Turismo.

Brasil. ICMBio. (2018). Edital: Chamada de propostas para fortalecimento de iniciativas de turismo de base comunitária.

Cabanilla, E. (2018). Turismo comunitario en América Latina, un concepto en construcción. Siembra, 5(1), 121-131.

Carvalho, F. C. (2013). O turismo comunitário na Favela Santa Marta: Perspectivas sobre o programa Rio Top Tour no contexto eufórico do Rio de Janeiro pacificado. [Apresentação de Trabalho]. Seminário da ENANPUR. https://anais.anpur.org.br/index.php/anaisenanpur/article/view/235

Coriolano, L. N. (2006). O turismo nos discursos nas políticas e no combate à pobreza. São Paulo: Anablumm.

Conti, B., Rocha, L., & Nery Viteze, N. (2018). As conexões entre a economia solidária e o turismo de base comunitária no estado do Rio de Janeiro. Revista Acadêmica Observatório de Inovação Do Turismo, 12(2), 1 - 21. https://doi.org/10.17648/raoit.v12n2.5049

Edra, F. P. M., & Dantas, J. C. de S. (2020). Turismo no estado do Rio de Janeiro: o hiato entre a mobilidade e o desenvolvimento. Caderno Virtual de Turismo, 20(1), 1769. https://doi.org/10.18472/cvt.20n1.2020.1769

Fabrino, N. H. (2013). Turismo de base comunitária: dos conceitos às práticas e das práticas aos conceitos [Dissertação de mestrado]. Universidade de Brasília, Brasília. http://www.realp.unb.br/jspui/handle/10482/14215

Ferreira, H. C. H. (2014). Turismo comunitário, tradicionalidade e reserva de desenvolvimento sustentável na defesa do território nativo: aventureiro-Ilha Grande/RJ. Revista Brasileira De Pesquisa Em Turismo, 8(2), 361–379. https://doi.org/10.7784/rbtur.v8i2.689

Fratucci, A. C. (2000). O ordenamento territorial da atividade turística no estado do Rio de Janeiro: processos de inserção dos lugares turísticos nas redes do turismo. Niterói: UFF: [Dissertação de Mestrado].

Fratucci, A. C., Spolon, A. P. G., & Machado, M. D. B. T. (2016). O turismo no Rio de Janeiro: da tríade praia-futebol-carnaval à complexidade da experiência turística contemporânea. Turismo na América Latina: casos de sucesso. Assis: Triunfal Gráfica e Editora, 81-112.

Fukuda, J. C.; Botelho, E. S.; Bendelak, O. J. S; Rodrigues, C. G. O. (2019). Fortalecimento do Turismo de Base Comunitária na Área de Proteção Ambiental de Guapi-Mirim, Baía de Guanabara, Brasil. III Congreso de Areas Protegidas de Latinoamerica e el Caribe. Informe Técnico III CAPLAC. Lima. Peru. https://w ww.areasprotegidas-latinoamerica.org/documentos-finales/.

Godinho, L. da S., & Lança, V. S. (2018). Turismo de base comunitária: uma possibilidade no Morro do Vidigal. Turismo & Sociedade, 11(1), 44-68. http://dx.doi.org/10.5380/tes.v11i1.57288

Kalaoum, F., & Elizabeth de Souza Santiago, P. (2020). Tourism in the Favela of Vidigal: Community based or market based?. Anais Brasileiros De Estudos Turísticos, 10(1, 2 e 3). https://doi.org/10.34019/2238-2925.2020.v10.27307

Lima, M. A. G., Irving, M. de A., & Oliveira, E. (2022). Decodificando Narrativas de Políticas Públicas de Turismo no Brasil: uma leitura crítica sobre o turismo de base comunitária (TBC). Revista Brasileira De Pesquisa Em Turismo, 16, 2094. https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2094

Mano, A. D., Mayer, V. F., & Fratucci, A. C. (2017). Turismo de base comunitária na favela Santa Marta (RJ): oportunidades sociais, econômicas e culturais. Revista Brasileira De Pesquisa Em Turismo, 11(3), 413–435. https://doi.org/10.7784/rbtur.v11i3.1314

Mendonça, T. C. de M., & Moraes, E. A. de. (2012). Reflexões emergentes sobre Turismo de Base Comunitária, à luz da experiência no “Paraíso Proibido”: Vila do Aventureiro – Ilha Grande – Brasil. Revista Turismo & Desenvolvimento, 2(17/18), 1169-1183. https://doi.org/10.34624/rtd.v2i17/18.13149

Mendonça, T. C. de M., et al. (2014). Relatório Final do Projeto: O estado da arte do turismo de base comunitária no litoral do estado do Rio de Janeiro: abordagem teórico-conceitual, político-organizacional e iniciativas em curso (Período: Agosto/2013 – Julho/2014). UFRRJ.

Mendonça, T. C. de M. et al. (2016). Relatório Final do Projeto: Turismo de base comunitária e território tradicional e de resistência, o Fórum de Comunidades Tradicionais: Angra dos Reis, Paraty e Ubatuba (Período: Agosto/2013 – Julho/2014). Nova Iguaçu: UFRRJ.

Mendonça. T. C; M & Moraes, E. A. (Org.) (2011). O povo do aventureiro e o turismo de base comunitária: experiências vivenciadas na Vila do Aventureiro – Ilha Grande, Seropédica: Ed. da UFRRJ.

Mendonça, T. C. M., Moraes, E. A. de, & Catarcione, F. L. C. (2016). Turismo de base comunitária na Região da Costa Verde (Rio de Janeiro): refletindo sobre um turismo que se tem e um turismo que se quer. Caderno Virtual de Turismo, 16(2), 232-248. http://dx.doi.org/10.18472/cvt.16n2.2016.1185

Mendonça, T. C. de M., Santos, R. de O. dos, Lopes, P. C. B., Andrade, S. dos R., & Moraes, A. P. V. de. (2017). Turismo de base comunitária na Costa Verde (RJ): caiçaras, quilombolas e indígenas. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 10(2). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2017.v10.6596

Mendonça, T. C. M., Santos, R. O., & Leite, M. C. S. (2020). Rede Nhandereko de Turismo de Base Comunitária: a resistência caiçara, quilombola e indígena tece um novo mapa de turismo na Costa Verde (RJ). In Diálogos sociais em turismo: elementos hegemônicos e contra hegemônicos (p. 163-180). Belo Horizonte: Editora Dialética. https://drive.google.com/file/d/1LBeT0g9G_qCKCcvdxSB7eCNJtWtnHuEI/view

Mendonça, T. C. M., Santos, R. O., Souza, N. N. S., & Andrade, S. R. (2021). Sapukai - o nhandereko mbya se transforma em turismo de resistência indígena no estado do Rio de Janeiro, Brasil. RITUR - Revista Iberoamericana de Turismo, 11(Dossiê Especial), 234-260. https://www.seer.ufal.br/index.php/ritur/article/view/12825/9133

Monteiro, T. L. (2015). Ação política e afirmação territorial: turismo de base comunitária entre os caiçaras de São Gonçalo, Paraty, Rio de Janeiro. Espaço e Economia, 7. https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.1957

Monteiro, T. L. (2017). Ação política e resistência territorial: turismo de base comunitária entre os caiçaras de São Gonçalo - Paraty, Rio de Janeiro [Dissertação de mestrado, Instituto de Agronomia/Instituto Multidisciplinar de Nova Iguaçu, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro]. https://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/5573

Moraes, C. (2016). Turismo em favelas: notas etnográficas sobre um debate em curso. Plural, 23(2), 65-93. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2016.125110

Moraes, E. A. de. (2019). Siga os atores e as suas próprias ações: nos rastros das controvérsias sociotécnicas do Turismo de Base Comunitária na Rede Cearense de Turismo Comunitário TUCUM - Ceará – Brasil. [Tese de Doutorado, Programa em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro] Rio de Janeiro, Brasil. http://pos.eicos.psicologia.ufrj.br/wp-content/uploads/2019_Dout_Edilaine_Abertino_de_Moraes-1.pdf

Moraes, E. A. de & Irving, M. A. (2020). Nos rastros do turismo de base comunitária no Brasil: diálogos e conexões sociais na construção de alternativas contra-hegemônicas. In: Alves, K. dos S. (Org.). Diálogos sociais em Turismo: elementos hegemônicos e contra hegemônicos (pp. 59-80). Belo Horizonte: Dialética.

Moraes, E. A. de; Mendonca, T. C. M. & Estevão, P. H. R. (2023). Turismo de base comunitária em meio a pandemia COVID-19 no Brasil: enfrentamentos, redes e caminhos em transição. Revista da ANPEGE, 19, 1-27. https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpege/article/view/16525

Pinheiro, T. R. (2014). Indicadores para o Desenvolvimento Sustentável do Turismo de Base Comunitária: Um Estudo de Caso da Comunidade do Quilombo do Campinho da Independência, Paraty, Rio de Janeiro. Anais Brasileiros de Estudos Turísticos, 4(1), 61–71. https://periodicos.ufjf.br/index.php/abet/article/view/3037

Projeto Bagagem, (2015). II Encontro Turisol. Brasilia: Projeto Bagagem.

Projeto Bagagem (2022). Mapeamento das Iniciativas Brasileiras de Turismo de Base Comunitária. https://issuu.com/projetobagagem/docs/mapeamento_tbc_-projeto-bagagem

Raiter, J. R., & dallabona, S. H. (2015). Gestão de políticas públicas. Indaial: UNIASSELVI.

Rezende, R. de O. (2014). Turismo comunitário e favela-tour como expressões das novas dinâmicas do consumo turístico. Revista Turismo Em Análise, 25(2), 354-372. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v25i2p354-372

Ribeiro, M. A. (2003). Turismo no estado do Rio de Janeiro: ensaio de uma tipologia. GEOgraphia, 5(10). https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/13456

Rio de Janeiro. Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro - ALERJ. (2018). Lei Nº 7884, de 02 de março de 2018. Institui a Política Estadual de Turismo Comunitário no Estado do Rio de Janeiro e dá outras providências.

Rio de Janeiro. Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro - ALERJ (2022). Lei Nº 9811 DE 24/08/2022. Institui a Política Estadual de Turismo do Rio de Janeiro e dá outras providências.

Rodrigues, D. da S., Corbari, S. D., Sampaio, C. A. C., & J., I. G. (2014). Turismo comunitario en favelas: Un estudio del Favela Inn Hostel, Chapéu Mangueira - Rio de Janeiro, Brasil. Estudios y perspectivas en turismo, 23(4), 786-804. http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1851-17322014000400008&lng=es&tlng=es

Santos, R. O. (2017). Preservar é Resistir! O Turismo de Base Comunitária como Movimento Político-Social no Quilombo Santa Rita do Bracuí. Trabalho de Conclusão de Curso, Bacharel em Turismo, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Orientadora: Prof.ª Dra. Teresa Cristina de Miranda Mendonça.

Santin, B. H. G. (2021). Turismo de base comunitária na favela de Santa Cecília em Teresópolis/RJ. In Anais do XIV ENANPEGE. Campina Grande: Realize Editora. Recuperado de https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/77530

Schumacher, L., & Rodrigues, C. (2020). Turismo de base comunitária na Área de Proteção Ambiental Guapi-Mirim: uma proposta de guia de campo para a interpretação ambiental. Caderno Virtual de Turismo, 20(3). http://dx.doi.org/10.18472/cvt.20n3.2020.1791

Silva, F. D., & Carvalho, F. C. (2014). Turismo em favelas: o caso da comunidade Santa Marta, Rio de Janeiro. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, 14(1), 10-10.

Souza, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, p. 20-45, jul./dez. 2006. https://www.scielo.br/j/soc/a/6YsWyBWZSdFgfSqDVQhc4jm/?format=pdf&lang=pt.

Vilella, G. L. da C.; Catão, H. & Rosane M. Prado, R. M. (2009). Praia do Aventureiro: um caso sui generis de gestão local do turismo. In: Bartholo, R., Sansolo, D. G., & Bursztyn, I. (177-197). Turismo de base comunitária. Rio de Janeiro: Letra e imagem.

Downloads

Publicado

2024-04-25

Como Citar

Mendonça, T. C. de M., Moraes, E. A. de, Santos, R. de O. dos, & Nunes, A. de S. (2024). Mapa de significados, elementos socioespaciais e políticos do Turismo de Base Comunitária no estado do Rio de Janeiro. Caderno Virtual De Turismo, 1(1), 126–148. https://doi.org/10.18472//cvt.24n1.2024.dossieTBC.2156

Edição

Seção

Dossiê temático