“Nossa cidade, seu filme”: como as produções audiovisuais de São Paulo podem ser utilizadas como estratégia do city marketing?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18472/cvt.24n1.2024.2137

Palavras-chave:

Film commisisons, City Marketing, Turismo.

Resumo

Este estudo buscou analisar como produções audiovisuais são utilizadas pelos atores públicos enquanto estratégia de city marketing para promover e difundir a imagem de cidades. Para tanto, realizou-se um estudo de caso da atuação da film commission da cidade de São Paulo, a São Paulo Film Commission (SPFilm), considerada uma das mais atuantes comissões fílmicas do país. O estudo desenvolveu-se de forma exploratório-descritiva, inicialmente, por meio de uma revisão sistemática integrativa da literatura sobre a relação entre film commissions e city marketing, além de pesquisas bibliográficas e documentais sobre o caso de estudo. Posteriormente, foi realizada uma pesquisa de campo com a realização de entrevistas com gestores da SPFilm, em 2022. Em seguida, com uma abordagem qualitativa, os resultados foram analisados através da análise de conteúdo de Bardin (2016). Os resultados indicam que apesar da existência de uma film commission atuante na cidade, as obras ainda não difundem São Paulo como um destino turístico. Conclui-se que para o desenvolvimento de uma política de city marketing a partir do aproveitamento do potencial imagético das produções audiovisuais, se faz necessário criar ações que levem a uma maior cooperação entre os atores institucionais dos setores do audiovisual e do turismo.

Referências

Almeida, G. G. F., & Engel, V. (2017). A cidade-mercadoria e o marketing urbano na (re) construção da imagem dos espaços públicos: o caso da marca da cidade do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais (RBEUR), 19(1), 89-105. https://doi.org/10.22296/2317-1529.2017v19n1p89.

Almeida, L. G. B de. (2015). Cinema, representações do urbano e identidades: um olhar sobre o marketing de destinos em Vicky Cristina Barcelona. TURYDES: Revista sobre Turismo y Desarrollo local sostenible, 8(18), 13.

Andúgar, I. S., & Martínez, J. S. (2019). The figure of the ci in the put in value of the technical and professional audiovisual resources of a territory in Spain. Tourism and Heritage Journal, 1(1). 10.1344/THJ.2019.1.7.

Ashworth, G. J., & Voogd, H. (1990). Selling the City: Marketing Approaches in Public Sector Urban Planning. London: Belhaven Press.

Ancine. (2020). Audiovisual brasileiro gerou R$ 26,7 bilhões à economia do País. Recuperado de https://www.gov.br/ancine/pt-br/assuntos/noticias/audiovisual-brasileiro-gerou-r-26-7-bilhoes-a-economia-do-pais.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Edições 70.

Beeton, S., & Cavicchi, A. (2015). Not quite under the Tuscan Sun… the potential of film tourism in marche region. Almatourism-Journal of Tourism, Culture and Territorial Development, 6(4), 146-160. https://doi.org/10.3727/108354206778689808.

Bennett, D. G., & Malpica, J. N. (2013). Acción de las Comisiones Fílmicas, la experiencia de Santiago de Compostela Film Commission. Razón y Palabra, (85).

Botelho, L. L. R., Cunha, C. C. D. A., & Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade, 5(11), 121-136. https://doi.org/10.21171/ges.v5i11.1220.

Campo, L. R., Brea, J. A. F., & González, E. A. (2014). El turismo cinematográfico como tipología emergente del turismo cultural. Pasos. Revista de Turismo y patrimonio cultural, 12(1), 159-171.

Campos, J. L., Gomes, C. L., & da Fonseca, J. L. (2020). Atuação das Film Commissions da Região Sudeste do Brasil:: Interfaces com o Turismo Cinematográfico. Marketing & Tourism Review, 5(1).

Castells, M., & Borja, J. (1996). As cidades como atores políticos. Novos Estudos CEBRAP, (45), 152-166.

Compans, R. (2005). O novo protagonismo dos governos locais. In Empreendedorismo urbano: entre o discurso e a prática (pp. 37-77). São Paulo: Editora UNESP.

Colantuono, A. C. S., & Campos, G. H. L. (2018). As Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro: uma discussão sobre o legado deixado à Vila Autódromo após os jogos. Desenvolvimento em Questão, 16(45), 135-153.

Croy, W. G. (2011). Film tourism: sustained economic contributions to destinations. Worldwide Hospitality and Tourism Themes, 3(2), 159-164. https://doi.org/10.1108/17554211111123014.

Dai, T., Hein, C., & Zhang, T. (2019). Understanding how Amsterdam City tourism marketing addresses cruise tourists’ motivations regarding culture. Tourism Management Perspectives, 29, 157-165. https://doi.org/10.1016/j.tmp.2018.12.001.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (Eds.). (2000). Handbook of Qualitative Research (2nd ed.). Sage.

Di Cesare, F., & La Salandra, A. (2015). Film-induced, steps for a real exploitation in Europe. Almatourism-Journal of Tourism, Culture and Territorial Development, 6(4), 1-17. https://doi.org/10.6092/issn.2036-5195/4949.

Diniz, L., Magalhães, A. C. P., & Junior, P. F. S. (2021). Empresariamento urbano e city marketing: reflexões a partir da cidade de Belo Horizonte. COLÓQUIO-Revista do Desenvolvimento Regional, 18(1), 51-73. https://doi.org/10.26767/1891.

Duarte, F., & Júnior, S. C. (2007). Cidade à venda: reflexões éticas sobre o marketing urbano. Revista de Administração Pública, 41, 273-282. https://doi.org/10.1590/S0034-76122007000200006.

Exibidor. (2021). Sp Cine lança iniciativa inédita no Brasil para atrair filmagens no país. Recuperado de https://www.exibidor.com.br/noticias/mercado/12054-spcine-lanca-iniciativa-inedita-no-brasil-para-atrair-filmagens-no-pais.

Figueira, A. P., Figueira, V., & Monteiro, S. (2015). Turismo e cinema: A importância de uma film commission na promoção do destino Alentejo. International Journal of Scientific Management and Tourism, 3, 29-37.

Fuentes, E. M, Nieto Ferrando, J., Marine-Roig, E., & Ferrer-Rosell, B. (2020). From blockbuster to neighbourhood buster: The effect of films on Barcelona. Sustainability, 12(6), 2290. https://doi.org/10.3390/su12062290.

Galvão, T. F., & Pereira, M. G. (2014). Revisões sistemáticas da literatura: passos para sua elaboração. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 23, 183-184.

Graziano, T. (2015). The Mini-?‐Hollywood of the Mediterranean”: Strategies and Potentialities of Film Industry in Malta. Journal of Tourism, Culture and Territorial Development, 6(4), 67-92.

Harrison, H. (2017). Case study research: Foundations and methodological orientations. In: Forum Qualitative Sozialforschung/Forum: Qualitative Social Research. https://doi.org/10.17169/fqs-18.1.2655.

Harvey, D. (2016). 17 Contradições e o Fim do Capitalismo. Boitempo.

Hubbard, P., & Hall, T. (1998). The entrepreneurial city and the 'new urban politics'. In The entrepreneurial city: Geographies of politics, regime and representation (pp. 1-23).

Hudson, S. (2011). Working together to leverage film tourism: collaboration between the film and tourism industries. Worldwide Hospitality and Tourism Themes. https://doi.org/10.1108/17554211111123023.

Hudson, S., & Ritchie, J. R. B. (2006). Film tourism and destination marketing: the case of Captain Corelli's Mandolin. Journal of Vacation Marketing, 12(3), 256-268. https://doi.org/10.1177/1356766706064619.

Hudson, S., & Tung, V. W. S. (2010). “Lights, camera, action...!” Marketing film locations to Hollywood. Marketing Intelligence & Planning. http://hdl.handle.net/1880/47849.

Júnior, A. M. (2010). O modelo estratégico urbano de" City Marketing" e suas escalas de atuação. Espaço em Revista, 12(2). https://doi.org/10.5216/er.v12i2.16858.

Kavaratzis, M., & Ashworth, G. (2008). Place marketing: how did we get here and where are we going?. Journal of place management and development.

Kavaratzis, M. (2005). Place branding: A review of trends and conceptual models. The marketing review, 5(4), 329-342. https://doi.org/10.1362/146934705775186854.

Kavaratzis, M., & Hatch, M. J. (2012). The dynamics of place brands: An identity-based approach to place branding theory. Marketing theory, 13(1), 69-86. https://doi.org/10.1177/1470593112467268.

Lemmi, E. (2020). Heritage and new communication technologies: development perspectives on the basis of the Via Francigena experience. In Heritage, Tourism and Hospitality International Conference 2020. Living heritage and sustainable tourism (pp. 43-63). Elgin e Co.

Ma, W., de Jong, M., Hoppe, T., & de Bruijne, M. (2021). From city promotion via city marketing to city branding: Examining urban strategies in 23 Chinese cities. Cities, 116, 103269. https://doi.org/10.1016/j.cities.2021.103269.

Malpica, J. N. (2014). Las Comisiones Fílmicas. Un Dispositivo Para La Promoción Y El Desarrollo De Ciudades Y Territorios| The Fílmicas Commissions. A Device For The Promotion and Development of Cities And Territories. Razón y Palabra, 18(3_88), 299-315.

Malpica, J. N. (2015). Acotaciones del primer estudio académico de las Film Commissions de México: hacia un Modelo Ideal Mexicano. Revista de la Asociación Española de Investigación de la Comunicación, 2(4), 62-71. https://doi.org/10.24137/raeic.2.4.9.

Malpica, J. N. (2020). Estructura, operatividad y promoción en la industria cinematográfica en México: Una mirada desde las comisiones fílmicas. Revista Venezolana de gerencia, 25(3), 493-511.

Malpica, J. N., Rodríguez, M. E. R., Hermida, M. A. M., & Sempere, E. J. A. (2018). Las Comisiones Fílmicas de España. La experiencia de la Comunidad Valenciana Film Commission (Valencia Region FC). Razón y Palabra, 22(103), 87-121.

Malpica, J. N., & Rangel, M.J.H. (2019). Las Film Commissions de España. La experiencia de Salamanca Film Commission. Razón y Palabra, v. 23, n. 105.

Meirelles, F. (Diretor). (2008). Ensaio sobre a Cegueira [Filme].

Melo, P. F. de C; Körössy, N., & Paes, R. G. dos S. (2021). Atração de produções audiovisuais e desenvolvimento do turismo cinematográfico: uma análise da Rio Film Commission e da São Paulo Film Commission. Associação Nacional de Pesquisa e Pós Graduação em Turismo, 2359-6805.

Melo, P. F. C. D. (2021). Cinema e Turismo em Cabaceiras: uma análise da atuação dos agentes públicos no desenvolvimento do Turismo Cinematográfico (Dissertação de Mestrado PPHTUR/UFPE). Site do Repositório Institucional. https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/39379.

Nicosia, E. (2015). The Marche Film Commission: a tool for promoting territorial development and regional tourism. Almatourism-Journal of Tourism, Culture and Territorial Development, 6(4), 161-179. https://doi.org/ 10.6092/issn.2036-5195/4959.

Observatório do Turismo (2022) Recuperado de: https://observatoriodeturismo.com.br/wp-content/uploads/2022/08/BOLETIM-OTE-AGOSTO-22-1.pdf.

O'Connor, N., Flanagan, S., & Gilbert, D. (2008). The integration of film‐induced tourism and destination branding in Yorkshire, UK. International Journal of Tourism Research, 10(5), 423-437. https://doi.org/10.1002/jtr.676.

O Globo (2016). Prefeitura de SP inaugura e cria Film Commission. Recuperado de: https://oglobo.globo.com/cultura/filmes/prefeitura-de-sp-inaugura-salas-de-cinema-cria-film-commission-18983440.

Paes, R., Körössy, N., & Melo, P. (2022). Marketing territorial para atração de produções audiovisuais: Um estudo das Film Commissions de São Paulo e Rio de Janeiro. Revista de la Asociación Española de Investigación de la Comunicación, 9(17), 274-310. https://doi.org/10.24137/raeic.9.17.12.

Saltik, I. A., Cosar, Y., & Kozak, M. (2011). Film-induced tourism: Benefits and challenges for destination marketing. European Journal of Tourism Research, 4(1), 44-54.

Santos, E. M; Körössy, N. (2021). Film Commissions: Caracterização e Atuação no Desenvolvimento do Turismo Cinematográfico. Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, 2359-6805.

Sánchez, F. (1999). Políticas urbanas em renovação: uma leitura crítica dos modelos emergentes. Revista brasileira de estudos urbanos e regionais, (1), 115-115.

Secom (2022). Prefeitura e Estado investem R$ 40 milhões para atrair filmes que mostram a capital no exterior. Recuperado de: https://www.capital.sp.gov.br/noticia/prefeitura-e-estado-investem-r-40-milhoes-para-atrair-filmes-que-mostram-a-capital-no-exterior.

Silveira, V. (2017). Film Commission E Sua Relação Com O Turismo. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, 9(2).

Silveira, V. P., & Baptista, M. L. C. (2017). Turismo e cinema na Capital Nacional do Espumante–Garibaldi. Cadernos de Linguagem e Sociedade, 5(8).

Soares, A. M. C. (2006). O merchandising urbano: cidade-mercadoria, arte e indústria cultural. Salvador.

Spcine (2017). Sense8 estreia nova temporada com cenas filmadas em São Paulo. Recuperado de: http://spcine.com.br/sense8-estreia-nova-temporada-com-cenas-de-sao-paulo/.

Spcine (2021). Spcine: acesso a informação. Recuperado de: https://spcine.com.br/acesso-a-informacao.

Vainer, C. (2009). Pátria, empresa e mercadoria – Notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico Urbano. In O. Arantes, C. Vainer, & E. Maricato (Eds.), A cidade do pensamento único: desmanchando consensos (5a ed., pp. 11-74). Petrópolis: Vozes.

Vargas, H. C. (1998). Turismo e valorização do lugar. Revista Turismo em análise, 9(1), 7-19.

Vagionis, N., & Loumioti, M. (2011). Movies as a tool of modern tourist marketing. Tourismos, 6(2), 353-362. https://doi.org/10.26215/tourismos.v6i2.235.

Wachowski, L., & Wachowski, L. (Diretores). (2015). Sense8 [Série de televisão].

Downloads

Publicado

2024-04-25

Como Citar

Vasconcelos, J. V., & Körössy, N. (2024). “Nossa cidade, seu filme”: como as produções audiovisuais de São Paulo podem ser utilizadas como estratégia do city marketing?. Caderno Virtual De Turismo, 1(1), 55–71. https://doi.org/10.18472/cvt.24n1.2024.2137

Edição

Seção

Artigos originais