O ritual de hospitalidade na escola de samba Camisa Verde e Branco

Autores

  • Fernanda Schmidt Marques Universidade Anhembi Morumbi
  • Sênia Bastos Universidade Anhembi Morumbi

DOI:

https://doi.org/10.18472/cvt.16n1.2016.1043

Palavras-chave:

Hospitalidade, Sociabilidade, Escola de samba.

Resumo

A hospitalidade é entendida como um gesto de reciprocidade e como a relação entre visitantes e anfitriões, caracterizando-se como um encontro marcado pela atitude de acolhimento ao outro. É ela quem autoriza a passagem do exterior para o interior. Este artigo possui como objetivo analisar o ritual de hospitalidade na escola de samba Camisa Verde e Branco, agremiação mais antiga da cidade de São Paulo, que surgiu em 1914 como um grupo carnavalesco. Esta é uma pesquisa qualitativa de abordagem etnográfica cujos métodos de coleta de dados incluíram anotações no caderno de campo, registros fotográficos, realização de entrevistas semiestruradas e convivência com a escola. A quadra de ensaios da referida escola é um local de encontro, de convivialidade e de sociabilidade para seus membros e os eventos lá realizados contribuem para a criação e para o reforço dos laços sociais. No ritual da hospitalidade, os turistas, embora admitidos no interior da quadra, não são acolhidos nem integrados, já que a atividade do anfitrião não é exercida.

Biografia do Autor

Fernanda Schmidt Marques, Universidade Anhembi Morumbi

Mestre em Hospitalidade pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM), São Paulo, SP, Brasil.

Sênia Bastos, Universidade Anhembi Morumbi

Professora titular da Universidade Anhembi Morumbi (UAM), São Paulo, SP, Brasil.

Downloads

Publicado

2016-07-24

Edição

Seção

Artigos originais